A Sombra de Júlio Frank

Júlio Frank

Mistérios das Arcadas

Burschenschaft. Esta estranha palavra alemã tem muito a ver com a história do Brasil. É também a senha para desvendar o passado e melhor compreender as tradições de antigos e atuais alunos da mais tradicional escola jurídica do País: a Faculdade de Direito, do Largo de São Francisco.

Burschenschaft foi o nome dado às sociedades de estudantes que surgiram no final do século 18 com o objetivo principal de promover a unidade da Alemanha. Existem até hoje em “campus” como o de Heildeberg, a mais antiga universidade alemã.

No Brasil, a “Bucha”, o nome vertido de Burschenschaft, surgiu na década de 1830 entre os alunos da Faculdade de Direito do Largo São Francisco, fundada pelo professor de origem alemã que lecionava no Curso Anexo da Faculdade, JULIUS GOTTFRIED LUDWIG FRANK, ou simplesmente Júlio Frank.

Frank viveu apenas 32 anos, dez dos quais no Brasil, país em que morreu e foi enterrado, de maneira insólita, no pátio da escola, onde seus restos permanecem sob um túmulo imponente, tombado pelo Patrimônio Histórico.

Ao contrário da existência curta de seu fundador, a Bucha teve vida longa e influência duradoura na sociedade: de seus quadros saíram a maioria dos presidentes da República entre 1889 e 1930, além de poetas como Castro Alves e personalidades da história do Brasil como Ruy Barbosa e o Barão do Rio Branco.

Quem na verdade foi, porém, Júlio Frank? Seria um príncipe desterrado? Seria um fugitivo com nome falso em busca de refúgio após ter cometido um assassinato com fins políticos?

De acordo com o escritor brasileiro de origem alemã Afonso Schmidt ele era um fugitivo sim, mas por motivos outros como dívidas e envolvimento em duelos. Baseado em documentos encontrados na Alemanha na primeira metade do século passado, Schmidt escreveu a biografia romanceada A Sombra de Júlio Frank, publicada nas décadas de 1940 e 1950.

Da semente plantada por Júlio Frank cujo mote era “Fé, Esperança e Caridade”, originou-se uma verdadeira mística que congrega Alunos e Antigos Alunos das Arcadas, até nossos dias, por meio do Centro Acadêmico XI de Agosto e a Associação dos Antigos Alunos. E mais, esse espírito de solidariedade praticado pelos “invisíveis”, membros da Bucha que de maneira velada e anônima amparavam os estudantes que não se podiam manter, constitui legado relevante para todos nós, operadores do Direito, praticantes da ciência da convivência humana como nos define Goffredo.

Para assinalar os 200 anos do nascimento de Júlio Frank, a Associação dos Antigos Alunos das Arcadas lançou uma reedição da obra de Afonso Schmidt. É uma publicação luxuosa, com capa dura, ilustrações e textos adicionais, entre eles os de Lygia Fagundes Telles e Paulo Bomfim, e um ensaio do jornalista e escritor Herbert Carvalho sobre a Bucha, uma sociedade secreta envolta em mistério, assim como seu fundador.

Para garantir o seu exemplar, (clique aqui).

 

 

Adquira seu exemplar

Coordenação

Faculdade de Direito da Universidade de São Paulo Associação dos Antigos Alunos da Faculdade de Direito de São Paulo

Apoio

Migalhas

Contato